loader image
Alimentos

A maneira com que nos alimentamos tem impulsionado um sistema de produção que causa diversos impactos negativos no planeta. É verdade que as revoluções agrícolas permitiram alimentar mais pessoas, mas à custa de florestas, vida selvagem, água e de um clima estável. Essa exploração está por trás de várias crises globais, incluindo as de clima e de biodiversidade, e têm capacidade de perturbar a estabilidade da Terra.

Felizmente, estamos acordando para o fato de que o que comemos realmente importa. E que nossas escolhas alimentares estão entre as ações individuais mais significativas em termos de impactos sobre o meio ambiente, a sociedade, a economia e nós mesmos.

A produção mundial de alimentos é responsável por 27% das emissões de gases de efeito estufa e por 70% das águas removidas para uso. E, ao longo da cadeia produtiva, ocorrem muitas perdas e desperdícios. Ou seja, alimentos que ainda têm valor e poderiam saciar quem passa fome acabam no lixo. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), 28% dos alimentos que chegam às casas na América Latina são desperdiçados. Especificamente no Brasil, cada pessoa desperdiça, em média, 41,6 kg de alimentos por ano.

Alimentos

Para se ter ideia do que isso representa, se uma família (4 pessoas) evitar todo e qualquer desperdício de arroz ao longo de um ano, irá poupar emissões semelhantes às da geração de energia elétrica capaz de manter o funcionamento de 1 notebook (8h/dia) e 10 lâmpadas LED (6h/dia) por 3 anos inteiros!

Reverter esse cenário é urgente. De um lado, precisamos de investimentos em sistemas alimentares inteligentes, que aumentem a eficiência do uso dos recursos naturais e reduzam as perdas e desperdícios. Do outro, é necessária a adoção de hábitos de consumo consciente por parte de cada um de nós — quem nunca montou um prato com mais comida do que deu conta ou defendeu que é ‘melhor sobrar do que faltar’?

Em atividades corriqueiras, como ir à feira e preparar o almoço, temos o poder de transformação individual, social e ambiental. Com pequenas mudanças de comportamentos que evitem desperdícios de alimentos, podemos contribuir para um futuro melhor e influenciar outras pessoas a fazerem o mesmo.

VAMOS DAR OS PRIMEIROS PASSOS?

Para começar, conheça estes 10 primeiros passos:

Compre só o necessário
Alimentos fora do padrão
Utilize os alimentos integralmente
Armazene corretamente os alimentos
Prefira alimentos da estação
Combate ao desperdício
Alimentos in natura
Inclua as crianças no preparo das refeições
Leia os rótulos
Adote dietas sustentáveis
E-book Primeiros Passos: Alimentos
Confira o e-book caprichosamente feito para entregar a você as principais dicas sobre consumo consciente de alimentos.
Quero baixar
Por favor, preencha os dados para baixar o seu e-book.
Porque se importar
1
em cada 10 pessoas do mundo estão
em situação de desnutrição (WHO)
28%
dos alimentos produzidos globalmente são
desperdiçados na etapa do consumo (FAO)
41,6kg
de alimentos são desperdiçados anualmente
por cada brasileiro (Embrapa e FGV)
27%
das emissões de gases de efeito estufa no
mundo provêm da cadeia de alimentos (WWF)
Glossário
CONSUMO CONSCIENTE
É consumir com melhor impacto, consumir diferente, sem excessos ou desperdícios, para que haja o suficiente para todos para sempre.
Perdas e desperdícios de alimentos
Correspondem a todo alimento produzido e não consumido. As perdas se concentram no começo da cadeia produtiva (produção, pós-colheita, processamento, armazenamento e distribuição de alimentos), enquanto o desperdício ocorre nas etapas finais (venda em supermercados e restaurantes e consumo em escolas e nas residências).
Alimentos orgânicos
Obtidos a partir de sistemas de produção ou processos extrativistas sustentáveis que não prejudicam o ecossistema local. Esses sistemas não utilizam agrotóxicos, fazem uso saudável do solo, da água e do ar e utilizam práticas que preservem o bem-estar dos animais, entre outros.
Segurança alimentar
Direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, tendo como base práticas alimentares promotoras da saúde, que respeitem a diversidade cultural e sejam ambiental, cultural, econômica e socialmente sustentáveis.
Insegurança alimentar
Resultado do não acesso ao direito à alimentação por uma pessoa, levando à ingestão insuficiente de alimentos pela impossibilidade de os adquirir por falta de abastecimento dos mercados locais ou incapacidade de compra ou produção. São componentes da insegurança alimentar: má nutrição (estado fisiológico anormal causado por desequilíbrios no consumo de nutrientes na dieta, em déficit ou excesso); desnutrição (quando o corpo não recebe nutrientes suficientes pelos alimentos ingeridos); e fome (decorre da desnutrição em situações de intensa privação de alimentos, repercutindo nas faculdades físicas e mentais da pessoa afetada).

COMPARTILHE

FacebookTwitterWhatsAppLinkedIn